quarta-feira, 30 de maio de 2018

Digital vs Real

Na segunda-feira ligaram-me do grupo impresa.

O jornal Expresso faz 45 anos  - e, estavam a oferecer uma campanha para adquirir o referido jornal em formato digital. Ouvi. (Oiço sempre com muita atenção a malta dos inquéritos - durante o meu inicio de vida completei a minha primeira fase de estágio com Recenseamento Agrícola, Censos, Inquéritos ao consumo por isso se há malta que respeito é com as dos inquéritos!!!)

Declinei. A minha colega interrogou-me - tinha dado 8 na avaliação e dizia comprar regularmente - no entanto, declinava esta oportunidade. Dei-lhe a ler que prefiro o formato papel mesmo que o formato A3 seja trabalhoso. Não expressou empatia à minha resistência online.

Hoje entrei na minha livraria preferida. Recebia-me com as flores campestres da imagem que perfumaram ainda mais aquele momento com o aroma forte de uma estória de verdade. (o mar preenche-me a sede de infinito mas é o campo que tem as minhas raízes livres).

Posso fotografar as flores? Sim. Levará a fotografia e o perfume continuará comigo.

Falámos de António Lobo Antunes e deixei A Mancha Humana do Philip Roth encomendado. (é o escritor preferido da minha escritora preferido e quero estar on)

Gosto sempre da forma como o J. me atende, na bondade do seu olhar azul infinito, no na calma da sua voz e na amabilidade e atenção que responde a todas as minhas inquietações literárias.

A propósito da minha encomenda, questionei se já tinha lido. Respondeu-me dentro da verdade real - É um livro inacabado. Nunca o vou acabar de ler. Era o livro que estava a ler quando a minha mulher morreu. Ela ia mais à frente. Íamos alternando a leitura.

Espero que a minha colega dos inquéritos leia este post e perceba que embora a era pertença ao digital prefiro a leitura real com encontros bonitos feitos de luz e sombra pertença de lugares como este feitos de pessoas de amor que sossegam qualquer dor.


quinta-feira, 24 de maio de 2018

Luz Principiante

Não sei se alguém já esteve num hotel sozinho.

Eu nunca tinha estado e quis passar por essa experiência.

A semana tinha sido vivida ao minuto.

Quatro julgamentos, reuniões, acordos, pessoas novas, festejar aniversários de pessoas luz, preparar o dia do pai e de vida da minha Cátia capaz.

Pensei: "Se sobreviveres a esta semana - mereces o céu, o da terra - e tive.

Descompliquei. Desapeguei. E fui. E estou.

Encontrei um lugar com a minha cara e com o meu nome e que podia ser meu - luz houses.

E aqui há tanto de luz no dia-a-dia.

Porque este blogue é feito de uma luz nova que vem de dentro para fora e que encontra nas pessoas, nas do passado e do presente, nos lugares antigos e novos, nas experiências do passado e nas que virão - um ponto de luz - que me leva a cada dia ao melhor de mim. E isto dá-me uma alegria sem fim.

Se pudesse guardava-a no congelador para lá voltar e comer uma colher ou lambuzar-me com a caixa!

terça-feira, 1 de maio de 2018

A minha terça comprometida

Demorou. Houve sacrifício de todos e todos conseguimos.

À terça das 19h às 20h eu estou comprometida com eles.

Com as minhas meio crianças, meio adolescentes, meio adultos, inteiros amores meus. Todos.

Tão diferentes e tão bonitos e tão meus. Mesmo quando me zango. Ás vezes é preciso, é necessário.

No outro dia o tema foi o compromisso. Cada um falou com o que estava comprometido.

Vólei, ginástica, escola, escuteiros, futsal, terapia...

Perguntei o que implicava cada uma destas actividades.

Eles foram criativos e assertivos e disseram o que implicava ser comprometido....

- Tempo;

- Vida Social;

- Evolução;

- Ensino dos outros;

- Sacrifício em detrimento do conforto;

- Sofrimento;

- Dinheiro;

- Assiduidade;

- Descanso;

- Estudo;

- Aprendizagem;

- Pontualidade;

- Ajuda;

Caso ainda continuem comprometidos, estas podem ser dicas importantes a cultivar, caso faltem.

No fim perguntei-lhes: "Vale apena sermos pessoas comprometidas?"

Foram unânimes em dizer que sim. Acrescentaram: "é quando somos comprometidos que nos superamos e fazemos coisas que nunca tínhamos pensado.

Minhas luzinhas de terça-feira, do dia-a-dia e da vida toda. Obrigada. Sempre.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Gosto muito de fazer anos!

Sempre gostei de fazer anos. E acho que vou gostar sempre.

As datas são importantes. Marcam um tempo. Um princípio, um fim, um recomeço, uma paragem.
Fazer anos é celebrar o nosso tempo de vida. Que se espera que seja longo mas que não se sabe se vai ser ou não.
Um dia conto-vos porquê, por hora quero dizer que desde há três anos para cá que costumo começar algo de novo pelo meu aniversário. E,é incrível o que cada coisa que iniciei me trouxe: amigos, experiências, superação, mudança...
No primeiro ano comecei a fazer desporto. Tive o meu primeiro treino acompanhado pelo Gonçalo. Foi ele que me passou este gosto que tenho por treinar e por me superar em cada treino. (Hoje quando levantei a barra com 82Kg no deadlift, lembrei-me tanto de ti)
 Através do desporto fiz amigos, tive clientes, perdi peso, superei-me. O desporto não preenche qualquer vazio em mim, inspira-me a ser uma pessoa melhor.
No segundo ano comecei a correr. Este ano já corri mais de 12 km sem parar. Ainda não sou muito rápida, ainda assim a Inês Margarida não me deixa mentir e sabe que não desisto e vou até ao fim, mesmo já tendo sido a última a cortar a meta! O que me trouxeram as corridas? Mais pessoas, mais luz sobre o meu olhar, mais superação e lugares bonitos.
Este ano não sabia o que iniciar tal como não sabia como havia de festejar mais um aniversário!
Pensei em viajar lá fora ou cá dentro e seria dois em um. Nada se proporcionou assim. Parei e
deixei a vida ou melhor os meus amigos fazerem por mim - não é fácil confiar a nossa vida na mão de terceiros e confiar que façam por nós, eu que o diga!!!
E de mãos dadas os festejos e os trilhos (sim, é o que vou iniciar este ano!) surgiram de forma inesperada. 
E é assim que quero que seja este 33 e a vida toda que nem um trilho, ou seja, que saiba desfrutar das paisagens e dos lugares bonitos que forem aparecendo, que tenha força para caminhar na aridez do caminho de areia, que saiba parar e retemperar forças quando necessário e nunca perder a rota que me leva ao melhor de mim - o meu destino.


sexta-feira, 26 de janeiro de 2018



É VERO!

Faz hoje seis anos que a minha avó foi para o céu - Hoje soube disso.

Fui à missa pela manhã, enquanto olhava para o altar falava com Jesus - perguntava-lhe se a minha avózinha estaria no céu, se existiria céu...

Foi então que reparei nas flores que estavam no altar  - eram rosas - para mim era a resposta à pergunta se a minha avó Rosa estaria no céu.

Gosto sempre de imaginar a minha chegada ao céu como a chegada dos tanques americanos no filme A Vida é Bela e exclamar como o Josué, é vero!!!!

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Aconteça o que acontecer 2018 já tens tanta luz




Estou tão feliz.

Um dos meus melhores amigos disse-me há pouco que vai ser pai.

É uma alegria que emociona.

É uma luz que me acende no peito e que me queima os olhos nas lágrimas que caem de emoção.

A sorte grande dessa criança em vos ter como pais.

A minha sorte grande em ser mais uma vez a tia Luz!

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

COMPROMISSO

Este é o primeiro post de 2018.

Fizemos dois anos, eu, o blogue e as pessoas que cá vivem e as que por cá passam e as que chegam e aquelas que irão chegar neste ano novo.

Há as pessoas de sempre, as que acompanham o blogue desde o dia 6 de Janeiro de 2016,  como se de uma luz de presença se tratassem, há as que chegam e que me enchem com uma luz novidade e há as que cá moram e que foram mote para tantos textos, de tanta luz de dia-a-dia - muitas nem se dão conta.

Ontem a Maior dizia-me: "O sucesso do que iniciámos a 18 de Novembro de 2015, resulta da Maria se ter comprometido."

Eu como é hábito (a minha Pilar detesta) respondi em tom de brincadeira, "deve ter sido o único compromisso que assumi, fazer por mim o que passei tantos anos a fazer pelos outros" - (tentar muda-los)

Penso nas resoluções de ano novo que cada um terá tomado, como dizia bumba da fofinha, muitas delas serão as mesmas de 2017, 2016, 2015....por aí...

E o que falta? E o que te falta? E o que me falta?

O que te falta para deixares finalmente de fumar? O que te falta para finalmente mudares de trabalho? O que te falta para finalmente começares a fazer exercício? O que te falta para finalmente perderes o peso que tens a mais? O que te falta para finalmente pedires a tua mulher em casamento? ...

Resposta: Compromisso. Compromete-te contigo. E depois? Põe os meios, sejam eles físicos, mentais, monetários, pede ajuda de amigos, profissionais...

E no dia em que falhares? Em que chega o dia 10 de Janeiro e ainda fumas aquele cigarro às escondidas, ainda não tiveste coragem para ter aquela conversa com chefe a pedir o aumento, ainda não te inscreveste no ginásio ou nem compraste o anel -, nesse dia nunca digas perdido por 100 perdido por mil, não desistas! Dá um abraço a ti mesmo, perdoa-te, não sejas duro contigo - só que não desistas e volta novamente a empregar todos os meios no teu compromisso, seja ele qual for.

Que nos comprometamos e não deixemos que 2018 fique comprometido por falta de compromisso!